sábado, 12 de julho de 2014

ARTRITE REUMATÓIDE - COMO ELA APARECE NO LABORATÓRIO CLÍNICO?

Introdução e conceito
Artrite reumatóide (AR) é uma doença autoimune, inflamatória, caracterizada pela cronicidade, simetria e progressividade da poliarterite. Embora desconhecida, parece que o fator etiológico da doença é formado por características  multifatoriais, genéticas e ambientais, que de alguma maneira influenciam a resposta imunológica.

Quadro clínico
A AR pode acometer qualquer articulação, porém, mais frequentemente acomete as articulações das mãos (punhos, interfalangeanas proximais, metacarpofalangeanas), tornozelos, cotovelos, joelhos e ombros. Ocorrem deformidades com a progressão da doença, além de dor. 

Diagnóstico laboratorial
No hemograma pode ser encontrado anemia (normocrômica, normocítica, ou, hipocrômica e microcítica). No caso de anemia hipocrômica e microcítica, esta é devido à deficiência de ferro diminuída, por conta da baixa sérica dos níveis do ferro, embora os níveis de transferrina sejam normais, parece ser, neste caso, uma redução da capacidade de ligação do ferro. O leucograma, geralmente normal, pode apresentar neutrofilia nos casos em que a doença estiver na fase ativa, fase grave, e , leucopenia nos pacientes com síndrome de Felty. Também, na fase ativa da doença, eosinofilia e plaquetose podem ser observadas. A velocidade de hemossedimentação (VHS), geralmente, tem valores elevados. As proteínas de fase aguda, PCR (proteína C reativa), α-1glicoproteína ácida, γ-globulinas e fibrinogênio apresentam valores elevados, também. Naqueles pacientes com vasculite reumática, pode haver presença de crioglobulinas. Em 60 a 80% dos pacientes, o fator reumatóide (FR) aparece positivo, pelo teste do látex. Também, células LE e anticorpos anti nucleares (AAN)estão presentes em 10 a 15% dos pacientes. Análises das proteínas do sistema complemento aparecem normais ou, pouco aumentadas. Características inflamatórias aparecem quando se faz análise do líquido sinovial, com predomínio de células PMN (polimorfonucleares). Na membrana sinovial, na análise anátomohistopatológica, podem ser constatadas a presença de infiltrado crônico de linfócitos e fibrina.


Referências
FERRAS, MB; CICONELLI, RM. Artrite reumatóide - Reumatologia - Atualização Terapêutica 2003.