sábado, 13 de julho de 2013

A IMPORTÂNCIA DO BIOMÉDICO NO LABORATÓRIO CLÍNICO PARA A MEDICINA DIAGNÓSTICA E PARA DIRECIONAR O MÉDICO NO TRATAMENTO ADEQUADO AO PACIENTE.

A atualidade em que nos encontramos é perfeitamente sabido que o laboratório clínico é de fundamental importância dentro da área médica, pois desempenha inexorável papel na medicina moderna. Os métodos laboratoriais são quantitativa e qualitativamente admiráveis, dadas à sua utilidade e especificidade peculiar a cada uma. Métodos antigos podem hoje, serem adaptados, dadas as inúmeras técnicas e tecnologias desenvolvidas, principalmente no campo da Bioquímica e dos Radioisótopos. Para isto, é inexorável o conhecimento destas técnicas e métodos laboratoriais em Patologia Clínica para que seja dada a devida importância ao que realmente é necessário, diante da magnitude de opções analíticas. Para isto, o Patologista Clínico deve ter este conhecimento apurado, afim de que não sejam destinadas atenções e execuções de procedimentos desnecessários e, mesmo aqueles que sejam necessários, ainda não forneçam informações que ajudem na interpretação diagnóstica. Outro dado importante é que, ao contrário do que se pensa, a interpretação dos resultados dos exames laboratoriais é muito mais complexa que a sua simples comparação com os valores de referência, classificando os valores dos testes como normais ou anormais, de acordo com os limites desta referência. Certas considerações básicas são fundamentais para a interpretação de qualquer resultado de exames e frequentemente são cruciais quando se decide determinar se o diagnóstico pode ser estabelecido com razoável segurança ou se o valor laboratorial deve alterar a terapia. Fatores, como Sensibilidade e Especificidade, Valor de Previsão, Reprodutibilidade e Exatidão, Cálculo não Paramétrico, entre outras, são passíveis de serem monitoradas a todo tempo. A levar em consideração, há também os problemas com amostras biológicas que podem fornecer erros na análise das variáveis fisiológicas, efeitos de medicamentos, erros por procedimentos hospitalares executados de forma indevida, enfim... Soma-se a isto, por fim, o conhecimento técnico apurado, bem como a prática diária com todos os parâmetros e equipamentos, bem como com suas variáveis. Há de se salientar que, a prática clínica em medicina, é passível de não suportar tamanha carga técnica de trabalho, diante da avassaladora massa de informações da literatura médica específica em Patologia Clínica, Biotecnologia e Diagnóstico e, agregar a tudo isto, a prática médica clínica. Com isto, finalizo este texto, afirmando que, diante do propósito da função, habilitação e amplitude da capacidade do exercício profissional biomédico, fica completamente inviável ao médico, clinicar e diagnosticar (dentro do laboratório, com todos os procedimentos necessários). Para isto, existe a multidisciplinaridade. Com ela, há, pela saúde do paciente (...e não, cliente) um maior empenho e maior sucesso. A qualidade de vida do paciente é garantida por meio de uma saúde horizontalizada, onde o Biomédico pode fornecer ao médico o direcionamento da vida do paciente, seja no diagnóstico, seja no acompanhamento e monitoramento. Isto é saúde!