quinta-feira, 22 de abril de 2010

ESTUDO SOBRE AS DIFERENÇAS ENTRE O BETA-BLOQUEADORES EM PACIENTES COM INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CRÔNICA E DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

Quais são os efeitos respiratórios, hemodinâmicos, clínicos e de comutação entre β1-seletivo e não seletivo beta-bloqueadores em pacientes com insuficiência cardíaca crônica (ICC) ea doença pulmonar obstrutiva crônica (DPOC)?  As respostas estão nas conclusões deste estudo. Um estudo que utilizou um método randomizado, aberto, crossover triplo teste, envolvendo 51 indivíduos que receberam a terapia ideal para insuficiência cardíaca congestiva foi realizado em dois hospitais universitários brasileiro. Os submetidos tinham idade média de 66 anos (desvio padrão [DP] 12 anos) e tinham, segundo NYHA, classe funcional I (n = 6), II (n = 29) ou III (n = 16); Como dado funcional global, a fração de ejeção do ventrículo esquerdo (média de 37%, SD 10%), sendo 35 portadores de DPOC coexistentes. Ecocardiografia, N-terminal peptídeo natriurético cerebral prohormone (NT-BNP), a pressão aumentada central da análise de pulso de forma de onda, os testes de função respiratória, a distância de caminhada de 6 minutos, e classe funcional foram avaliados em cada visita. Os resultados foram os seguintes: foi observado que o NT-BNP foi significativamente menor com carvedilol do que  com metoprolol ou bisoprolol (média: carvedilol 1001 [95% intervalo de confiança (CI), 633-1367] ng / L; metoprolol 1371 [95% CI, 778 - 1964 ng] / L; bisoprolol 1349 [95% CI, 782-1916] ng / L, p <0,01), e retornou ao nível basal no reinício das iniciais de beta-bloqueador. Pressão central aumentada (uma medida da pós-carga pulsátil) foi menor com carvedilol (carvedilol 9,9 [IC 95% 7,7-12,2] mm Hg; metoprolol 11,5 [IC95% 9,3-13,8] mm Hg; bisoprolol 12,2 [IC 95%, 9,6-14,7] mm Hg, p <0,05). Em indivíduos com DPOC, o volume expiratório forçado em 1 segundo foi o mais baixo com carvedilol e o mais alto com bisoprolol (carvedilol 1,85 [95% CI, 1,67-2,03] L / s; metoprolol 1,94 [95% CI, 1,73-2,14] L / s; bisoprolol 2,0 [1,79-2,22] L / s; p <0,001). A classe funcional, a distância de caminhada de 6 minutos e a fração de ejeção não se alteraram. As opções de beta-bloqueadores foram bem toleradas. Com isto cocluiu-se que a mudança entre  beta bloqueadores β1 seletivos carvedilol e os demais beta bloqueadores são bem tolerados, mas resulta em mudanças demonstráveis na função das vias aéreas, mais acentuadas em pacientes com DPOC. Mudar de β1-seletivo carvedilol pode causar redução a curto prazo da pressão central aumentada e NT-BNP.
Dentro das  perspectivas normalmente, os especialistas optaram bisoprolol de primeira linha em pacientes portadores de ICC; já com doença clinicamente significativa reativa das vias aéreas, como a asma, o carvedilol foi associado com uma "melhor" resposta hemodinâmica, como evidenciado pela menor NT-BNP ea pressão aórtica central, mas estão associadas com respostas de pior volume expiratório forçado em 1 segundo (FEV1). No entanto, as respostas mais pobres VEF1 não foram associados com piora classe funcional ou teste de caminhada de 6 minutos. Muitos outros estudos cegos randomizados são necessários para determinar qual o beta-bloqueador tem o melhor resultado clínico em pacientes com ICC com DPOC.

Trabalho publicado pela revista:  J Am Coll Cardiol 2010; 55:1780-1787.