segunda-feira, 8 de março de 2010

RINITE ALÉRGICA - USO DE DESCONGESTIONANTES NÃO PROMOVE A CURA

 Rinite alérgica é caracterizada clinicamente por prurido nasal intenso, espirros em salva, obstrução e coriza nazais, consequentes ao intenso processo inflamatório da mucosa nasal. É classificada como doença multifatorial devide ter interação de fatores genéticos e ambientais. A principal via envolvida é a via imunológica, mediado por uma classe de anticorpos chamados IgE. Sabido isto, conluimos que a principal via de ativação das manifestações deste distúrbio é uma via de hipersensibilidade imunológica, a do tipo I ou Imediata e envolvem histamina, mastócitos, basófilos e em menor grau, eosinófilos, imunoglobulinas e fatores ambientais. O principal ativador: fator ambiental (poeira, ácaros, fungos, saliva e epitélio de animais, baratas e pólens). Há ainda irritantes classificados como não específicos: fumaça de cigarros e odores fortes. Todos estes fatores desencadeiam uma resposta imune que promove todas as manifestações clínicas descritas anteriormente. Mais precisamente, a obstrução nasal decorre da um processo de congestão dos sinusóides venosos dentro da mucosa nasal que, em condições fisiológicas as modulações ocorrem por alterações na atividade simpática. Atualmente, utiliza-se indiscriminadamente, muitos descongestionantes nasais que possuem propriedades alfa-adrenérgicas e interferem com a ransmissão adrenérgica simpática. Há então, contração da musculatura lisa dos vasos na mucosa nasal e por consequência redução do bloqueio nasal, mas, É UM BLOQUEIO TEMPORÁRIO. Estas drogas não exercem efeitos anti-inflamatórios, portanto, a causa não foi focada e sim parte dos sintomas. Além disso, a mucosa nasal pode sofrer danos pelo uso concomitante dos descongestionantes nasais, produzindo uma rinite medicamentosae em casos mais extremos, até a perfuração do septo nasal e da mucosa nasal. Portanto, o TRATAMENTO ADEQUADO para este tipo de distúrbio leva à cura da rinite alérgica e, a manutenção da exposição aos fatores agressivos que desencadeiam a via imunológica devem ser levados em consideração sempre, pois assim os riscos das manifestações agressivas da rinite serão reduzidos.


BIBLIOGRAFIA

1 - ADKINSON, JR NF; YUNGINGER, JW; BRUSSE, WW; BOCHNER, B; HOLGATE, S; MEDDLETON E. MIDDLETON'S ALLERGY PRINCIPLES AND PRACTICE. 6ª ED. ST. LOUIS: MOSBY-YEAR BOOK INC. 2003

2 - GOLDSBY, RA; KINDT, TJ; OSBORNE, BA. IMUNOLOGY 4º ED. FREEMAN AND COMPANY. 2000

3 - CASTRO, FFM; GRAUDENZ, GS; PINTO, LH. RINITE ALÉRGICA in: DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO VOL. 1 - SOCIEDADE BRASILEIRA DE CLÍNICA MÉDICA - LOPES, AC. ED. MANOLE. 2006.

APOIO: